sexta-feira, maio 08, 2009

Cabo Verde: Governo procura acelerar pilares atrasados da Parceria Especial

Cabo Verde vai criar um grupo de trabalho para o desenvolvimento do programa de Convergência Técnica e Normativa, o mais atrasado dos seis pilares da Parceria Especial entre Cabo Verde e a União Europeia (UE).

A decisão foi tomada na segunda reunião da troika ministerial, que hoje analisou o estado de implementação da Parceria Especial. O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, José Brito, reconheceu que todos os pilares não estão no mesmo nível de desenvolvimento e afirmou que vai ser criado o grupo de trabalho para acelerar os trabalhos em termos da Convergência Técnica e Normativa. “É um pilar transversal a nível de governação, sociedade de conhecimento e segurança. Mas é algo mais amplo e concordamos que vamos criar o grupo de trabalho para dar seguimento à questão da convergência. É um processo de longo-prazo e o importante é avançar”, explicou.

A avaliação da execução dos seis pilares do Plano de Acção da Parceria Especial foi um dos objectivos da II Reunião da Troika Ministerial Cabo Verde/UE. Na reunião participaram a ministra adjunta dos Negócios Estrangeiros da República Checa (país que preside à UE), Helena Bambasova, o director-geral das Relações com os países da África, Caraíbas e Pacífico (ACP) e do Desenvolvimento, Stephano Monservisi, e o chefe da Unidade África no Conselho da União Europeia. Entre os pilares mais avançados estão a Boa Governação, Segurança/Estabilidade e Integração Regional, que têm na mira a região da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e ainda o interesse nas Regiões Ultraperiféricas (RUP) europeias, ou seja, a Macaronésia, onde se insere Cabo Verde. José Brito afirmou que há intenção das duas partes em continuar a trabalhar para "acelerar o processo de implementação da Parceria Especial". Por seu turno, Helena Bambasova afirmou que há que ter em consideração que a Parceria Especial é um processo de longo-prazo, que irá trazer benefícios tanto para a Europa como para Cabo Verde. A reunião da Troika Ministerial analisou ainda a concertação e diálogo político sobre aspectos que interessam às duas partes, nomeadamente a situação da política na Costa Ocidental da África, bem como um relatório da situação na Europa. Os efeitos da crise financeira internacional e ainda questões sobre mudanças climáticas, democracia e respeito dos direitos humanos no mundo também estiveram em discussão.

1 comentário:

Amílcar Tavares disse...

O futuro das relações entre a UE e Cabo Verde promete muito, e é um sintoma daquilo que defendo: a marginalização dos piores e o incentivo aos que fazem melhor.

Cabo Verde é o melhor da turma e só com boa ajuda é que poderá subir mais!